Notícia

27/08/2020

Após abaixo-assinado de pai, empresa lança sorvete zero açúcar por menino diabético


ARQUIVO PESSOAL
Aos 10 anos, Enzo descobriu ser diabético; garoto ama sorvete zero açúcar

Um ano e meio depois de recorrer a um abaixo-assinado pedindo a fabricação de um picolé zero açúcar, o analista de sistemas Leandro Costa Camilo, morador de Jundiaí (SP), conquistou vitória. A campanha surgiu para atender ao desejo de seu filho Enzo, que aos 10 anos descobriu ser diabético e adorava consumir o tipo especial de sorvete. Mais de 38 mil pessoas se sensibilizaram pela história de pai e filho e ajudaram a pressionar a fabricante.

“É uma vitória para todos os diabéticos e para todos os que têm restrição de açúcar na dieta”, comenta o analista. “Essa petição começou sem muitas esperanças, não achava que poderia realmente ter algum efeito real. Mas agora, surpreso, vejo que mesmo que uma ação que pra gente possa parecer pequena, pode ter um bom alcance e chegar a resultados que, apesar de ser o desejado, achamos que dificilmente poderíamos alcançar”, completa.

A petição online foi criada na plataforma Change.org, ainda em janeiro de 2019, e rapidamente recebeu o apoio de milhares de pessoas, que se identificaram e sensibilizaram pela causa. A Kibon havia retirado de linha um picolé zero açúcar, de frutas vermelhas, que tinha o selo da Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD) e atendia as necessidades não apenas de Enzo, mas dos cerca de 12,5 milhões de diabéticos do Brasil.

“Quando o Enzo ficou sabendo, decepção e tristeza tomaram conta dele. Ficou triste demais ao saber que não teria mais muitas chances de poder saborear a única alternativa de sorvete que havia encontrado”, lembra o analista. Pensando na realidade do filho, Leandro não se conformou e decidiu lançar o abaixo-assinado apelando pela volta do picolé especial.

E deu certo. Quase um ano e meio depois, pai e filho foram surpreendidos, no último dia 11, por uma carta da Kibon e um kit com potes de um novo sorvete. “Demorou um pouco, mas a Kibon revisou a decisão e lançou um novo sorvete zero açúcar”, comentou o analista na página da petição em agradecimento aos apoiadores da mobilização. “Uma vitória para todos os diabéticos e para todos os que têm restrição de açúcar na dieta”, acrescentou.

REPRODUÇÃO
Em carta, empresa se diz inspirada pela mobilização criada pelo pai do Enzo

Na carta, a Kibon anuncia ao pai do Enzo, em primeira mão, o lançamento do sorvete como uma opção para as pessoas com diabetes e às que buscam um estilo de vida mais equilibrado na alimentação. “Sim! Ouvimos o seu pedido e de tantos outros consumidores que sentiam falta de um sorvete sem açúcar no nosso portfólio”, diz a empresa na mensagem. “Obrigado por nos inspirar com sua demonstração de heroísmo e amor. Esperamos que você aproveite essa novidade em família”, finaliza a empresa fabricante na carta.

História de heroísmo e amor

Se mudar hábitos alimentares e adotar uma dieta restrita é difícil para adultos, imagina para uma criança, que naturalmente ama comer doces e “besteiras”. Esse desafio precisou ser encarado pela família de Leandro ao descobrir que seu pequeno tinha diabetes. O mais difícil foi encontrar uma alternativa para uma das sobremesas prediletas da criança: sorvete.

Pela internet, era até possível achar opções de sorvetes zero açúcar, mas encontrá-los nas geladeiras dos estabelecimentos era impossível. A história começou a mudar quando, durante um passeio no parque, o analista de sistemas achou o picolé com 0% de açúcar.

ARQUIVO PESSOAL
Aos 10 anos, Enzo descobriu ser diabético; garoto ama sorvete zero açúcar

“Os olhinhos dele brilharam, o sorriso preencheu seu rostinho. Pedimos um e ele se deliciou com o picolé, como se fosse o primeiro da vida dele, como uma descoberta”, conta Leandro sobre a experiência do filho com o sorvete. O problema é que logo depois, pai e filho passaram a ter muita dificuldade para encontrar o picolé nos estabelecimentos, até que, em contato com a empresa fabricante, souberam que a linha tinha sido descontinuada.

Na ocasião, a Unilever, que tem a Kibon como uma de suas marcas, chegou a responder negativamente ao apelo de Leandro, dizendo que, com base em pesquisa e avaliações, precisou tirar produtos do mercado para dar espaço a lançamentos e novidades.

Apesar de o retorno não ter sido positivo naquele momento, Leandro não desistiu da mobilização. Preferiu confiar na pressão que a petição provocaria e na promessa de que a empresa compartilharia o pedido com sua equipe de marketing e desenvolvimento de produtos. A demonstração de heroísmo e amor comoveu a fabricante, e a história teve um final feliz.


PUBLICIDADE

entrevistas

Anuncie aqui